Vibeiras

Projetos e Obras de Arquitetura Paisagista

Somos uma empresa Portuguesa especializada no projeto, gestão, construção e manutenção de espaços exteriores, com mais de 30 anos de experiência.

O nosso crescimento sustentado levou-nos a expandir além-fronteiras, com vários projetos internacionais sobretudo na Europa, e hoje contamos com estruturas permanentes em vários mercados Africanos.

Hoje, a Vibeiras orgulha-se de ser uma referência internacional nos serviços associados à indústria da PAISAGEM: parques e jardins, infraestruturas, floresta e relvados desportivos.

Missão

Conceber soluções interdisciplinares que conjuguem a valorização do território, o desenvolvimento sustentável e a qualidade de vida dos utilizadores dos nossos espaços.

Visão

Ser uma referência internacional do setor, garantindo um crescimento sólido e consequente expansão das nossas atividades através da rentabilidade, inovação e satisfação do cliente.

História

A história da Vibeiras remonta ao ano de 1988, no seio do Grupo Visabeira, com sede no centro do país, em Viseu.

O seu conceito nasce de um novo princípio da Arquitectura Paisagista que interpreta cada obra na sua globalidade de forma interdependente e interdisciplinar.

Do forte espírito empreendedor do Arquitecto Paisagista Luís Pereira e de um grupo empresarial de grande visão estratégica nasceu assim a Vibeiras, a primeira empresa em Portugal a definir como seu objecto o projecto e obra de Arquitectura Paisagista, por oposição aos tradicionais hortos e viveiros dedicados unicamente à produção de plantas.

A Vibeiras teve a sua primeira obra em 1990 e desde aí não parou, totalizando neste momento mais de 1000 intervenções na paisagem – desde o pequeno jardim ou simples praça até ao grande parque urbano ou à requalificação de toda uma frente marítima. Não obstantes as diferenças de tipologia ou dimensão, existe um princípio fundamental comum a todas elas: uma boa obra exige um bom projecto.

Ao longo da sua existência, a Vibeiras assistiu a mudanças profundas e à emergência de novos contornos económicos, sociais e ambientais no contexto português e global.

Expo’98

Os resultados da Organização, são visíveis através da consolidação dos mercados onde atua e da crescente fidelização de clientes, que se preocupam em manter parcerias credíveis e responsáveis.

A Expo’98 foi o acontecimento que colocou Portugal no mapa dos grandes eventos internacionais e que trouxe à capital milhares de visitantes de todo o mundo. Integrada num extenso plano de requalificação urbana e ambiental que transformou a degradada zona oriental de Lisboa para receber a exposição mundial, a intervenção da Vibeiras beneficiou da notoriedade do evento. A Vibeiras foi responsável por grandes intervenções em quatro frentes de trabalho: o Passeio Ribeirinho Sul, o Jardim Triangular (projecto do reconhecido Arquitecto Paisagista Gonçalo Ribeiro Telles), o jardim envolvente ao Centro de Informação (projecto do Arquitecto Paisagista Gonçalo Ribeiro Telles também) e em Plataforma Panorâmica, junto à linha férrea, e a plantação de árvores na Alameda dos Oceanos, entre a Gare do Oriente e o recinto da Expo. Na mesma altura, foi construído o passeio pedonal ao longo da marina do Parque das Nações, que conseguiu integrar e pôr em relevo harmoniosamente formais naturais numa envolvente densamente construída. Após a Exposição Internacional, entre 2000 e 2001, realizou-se a maior obra da Vibeiras nesta área, o Parque Urbano do Tejo e Trancão, projectado por um dos mais reconhecidos arquitectos paisagistas da nova geração, João Nunes. Com 18 hectares, a mais extensa zona verde do Parque das Nações beneficia de um excepcional enquadramento com a Ponte Vasco da Gama, uma ponte com 17 quilómetros sobre as águas do extenso estuário do rio Tejo, ligando o Norte ao Sul do País. Perseguindo o objectivo de fornecer um serviço integrado e sustentado a médio/longo prazo, a Vibeiras deteve, durante vários anos, os contratos de manutenção dos espaços verdes no Parque das Nações, quer os por si construídos quer outros que entretanto lhe foram confiados.

Grupo Construtor Engil e Mota-Engil

A sólida reputação e portfólio que a Vibeiras construiu em menos de uma década atraíram as atenções de vários grupos económicos portugueses e estrangeiros que souberam reconhecer o seu potencial de crescimento e dinamismo. A Vibeiras reagiu positivamente à aproximação do grupo construtor Engil, que se tornou accionista maioritário em 1999. A situação viria a alterar-se novamente com a aquisição da Engil pela Mota e Companhia, formando a Mota-Engil, o maior grupo construtor português. A empresa ganhou dimensão e peso, sem nunca perder o entusiasmo e a capacidade de resposta face a um novo desafio. Melhor empresa do Ano de 2005 do Distrito de Santarém A Vibeiras recebeu o Galardão “Melhor Empresa do Ano de 2005”. Este prémio está enquadrado numa iniciativa de um importante jornal da região Centro e da Associação Empresarial Nersant. Foi entregue numa cerimónia pública, com a presença de vários autarcas e empresários locais. Esta distinção foi fruto dos bons indicadores de performance económica do ano de 2005, tais como Volume de Facturação, a Criação Líquida de Emprego, o Recurso a Novas Tecnologias, as Relações com o Mercado Externo e a aposta na Certificação da empresa.

Áreagolfe

Atenta à evolução do mercado, a Vibeiras implementou desde 2006 um plano de expansão, tanto ao nível da internacionalização como da diversificação de negócio, explorando noas áreas de aplicação do seu vasto know-how. A Áreagolfe foi constituída em 2007 com o objectivo de aumentar a presença da Vibeiras no mercado do golfe, ao nível da construção, da manutenção e da consultoria técnica. Desde a sua criação, já esteve envolvida na construção e requalificação de 6 campos de golfe e na manutenção de outros 3, garantindo uma carteira de projectos significativa e consolidando a sua actividade.

Orgãos Sociais

Conselho de Administração

Nome: Pedro Vieira Neves
Cargo: CEO

Nome: Pedro Pereira
Cargo: Vogal

Organograma