“Se queremos ir depressa, vamos sozinhos, se queremos ir longe vamos em equipa”. Foi sob este lema que a Manvia Vibeiras reuniu 140 colaboradores na Casa da Música no Porto no dia 2 de dezembro, naquele que foi o seu 1º Encontro de Quadros.

Esta iniciativa surge num momento crucial, com a entrada num novo ciclo, tendo sido focada na promoção do plano estratégico e na integração das equipas, ambas fundamentais para o sucesso da nova organização.

Atendendo ao contexto pandémico, foram antecipadas e asseguradas todas as medidas preventivas e cumpridas as regras em vigor.

Assim, e após um interregno de três anos, a expectativa, o entusiasmo e a emoção do reencontro era visível e foi esse o sentimento que perdurou durante todo o dia.

Para além do reencontro entre os colegas, esta iniciativa foi uma oportunidade para todos conhecerem melhor quer a Manvia, quer a Vibeiras, os seus processos de trabalho, os projetos em curso e a desenvolver num futuro próximo e fundamentalmente conhecerem o Plano Estratégico para os próximos 5 anos.

A Direção de Recursos Humanos abriu a sessão, dando as boas-vindas e fazendo a apresentação do evento, que contou com a presença da administração da Manvia e Vibeiras, bem como da Mota-Engil Capital.

José Pedro Freitas, CEO da Mota-Engil Capital, deu a conhecer o contexto atual do Grupo Mota-Engil, sendo que por sua vez, Pedro Pereira traçou um cenário das duas organizações e Vieira Neves partilhou uma breve apresentação do Plano Estratégico 2021-2026.

“Com as linhas orientadoras do Grupo Mota-Engil trata-se de um plano detalhado com cerca de 50 ações a desenvolver na área organizacional, tecnológica, comercial e desenvolvimento de negócios.”

“Pretendemos ser uma empresa de serviços. Estamos na altura de entrar num novo ciclo e é muito importante que todos nós nos preocupemos e contribuamos para que seja um sucesso nos próximos anos”, sublinhou.

“Eu acho que este é um projeto muito giro, que não é fácil, mas temos a obrigação de sonhar, temos de trabalhar muito e acreditar, apostar nas pessoas, fazer equipas, dar oportunidade de crescer, porque sozinhos não se consegue e é em equipa que vamos conseguir levar isto para a frente”.

Recebida com entusiasmo e expetativa por todos, foi então apresentada a nova marca e o novo nome que vai receber a notoriedade da Manvia e Vibeiras numa única empresa e que serviu de conceito para toda a dinâmica do dia.

Fomentar o espírito de grupo, apresentar, refletir, debater e “intervir” sobre o novo Plano Estratégico, fazer mais e diferente, foram alguns dos desafios propostos e temas trabalhados pelas várias equipas que se formaram para trabalhar em conjunto.

Para ajudar a realçar a importância do conceito de Equipa, o evento contou com a presença de um orador especial: Tomaz Morais, antigo selecionador nacional e treinador da Seleção Portuguesa de Rugby Union, desde setembro de 2001 até março de 2010.

Tendo como referência que um líder deve ser um exemplo a seguir para o resto do grupo e não um ditador de normas, Tomaz Morais considera que a resiliência e a dedicação são as melhores armas para alcançar o sucesso, defendendo o trabalho em equipa como ferramenta fundamental para atingir objetivos.

“O trabalho de equipa não tem especialistas e depende de cada um de nós e aquilo que estamos dispostos a dar à nossa empresa ou organização e aquilo que temos dentro de nós para dar. Muitas vezes o detalhe e o trabalho da equipa passam pela forma como sentimos todas as pessoas, as mais visíveis e as menos visíveis”.

Depois de trabalhados estes conceitos, eis chegada a hora do desafio final: fazer um Haka, dança típica do povo Maori que demonstra a paixão e intimidação e é utilizada para dar as boas-vindas. Atualmente, é conhecida mundialmente pela atuação de “intimidação” no início dos jogos de Rugby da seleção da Nova Zelândia.

As equipas empenharam-se, ensaiaram os passos e no final mostraram o que valiam! Mais um desafio superado.

Para Vieira Neves, o evento foi muito positivo, e correu muito bem, “porque é notório um entrosamento entre todos e hoje fica a certeza de que este é um projeto para o futuro”.

Já para Augusto Junqueiro que vai assumir a presidência executiva do novo projeto, trata-se de mais um grande desafio, “que agrega um portefólio mais vasto de duas empresas que já estão no mercado há muito tempo e que para levar este plano estratégico para a frente vão ter de mudar e a mudança começa com a fusão, precisamente”.

Veja https://www.youtube.com/watch?v=CsZexp0Hw4I